Editora Alaúde Editora Alaúde
Início Empresa Dúvidas Contato
Meu Cadastro Meu Pedidos Meu Carrinho
Buscar em ....
Nome do Produto:
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL     
FOTOGRAFIA     
AUTOMOBILISMO     
INTERESSE GERAL     
LITERATURA     
INFANTIL     
TODOS OS LIVROS     
AUTORES     
SAÚDE E BEM-ESTAR     
GASTRONOMIA     

Sistema de Detecção de Fraudes



Início / Autores / Alejandra Pizarnik / A condessa sangrenta 
A condessa sangrenta  



Autoria: Alejandra Pizarnik

Bônus: 120 (O que é?)
Descrição | Sobre o autor | Dados técnicos

Descrição

A história da condessa Báthory, mesmo levando-se em conta uma possível “legenda negra” construída em torno de sua vida, é marcada pela radicalização do que hoje chamamos de “sadismo”. Até certo ponto comum, o tratamento cruel de serviçais e camponeses pelos aristocratas europeus conheceu em Erzébet excessos que fizeram sua fama como uma espécie de “condessa Drácula”: qualquer motivo bastava para que ela aplicasse castigos e torturas em seus subordinados, especialmente jovens mulheres, em geral envolvendo longas agonias em que a pessoa seviciada se esvaía em sangue. Seu irrefreável prazer em levar ao extremo o sofrimento alheio vitimou cerca de 650 pessoas – cujos nomes foram registrados por ela mesma numa caderneta, usada como prova no processo que resultou em sua prisão, em 1611. Pizarnik descreve, em capítulos especialmente reservados, os principais métodos de suplício da condessa – que a tudo observava com impassível serenidade.

 
Sobre o autor

Alejandra Pizarnik, filha de imigrantes judeus da Europa oriental, nasceu em Buenos Aires, Argentina, em 29 de abril de 1936. Aos dezessete anos iniciou os estudos de filosofia e jornalismo. Mais tarde cursou letras, carreira que também abandonou, e frequentou aulas de pintura no ateliê de Juan Batlle Planas. Publicou seu primeiro livro – La tierra más ajena – aos dezenove anos. A este se seguiram La última inocencia (1956), Las aventuras perdidas (1958), Árbol de Diana (1962), Los trabajos y las noches (1965), Extracción de la piedra de la locura (1968) e El infierno musical (1971). Entre 1960 e 1964 viveu em Paris, onde conviveu com Julio Cortázar, Octavio Paz e André Pieyre de Mandiargues. Ao regressar a Buenos Aires, obteve o prêmio Fondo Nacional de las Artes e a bolsa Guggenheim. Em A condessa sangrenta, sua prosa mais longa e seu primeiro livro publicado no Brasil, mescla poesia e ensaio. Alejandra Pizarnik morreu no dia 25 de setembro de 1972, na capital argentina, aos 36 anos.
 
Dados técnicos

ISBN: 978-85-64406-00-1
Formato: 18 x 26,5 cm
Páginas: 60
Preço de capa:  R$ 59,50

 



Política de privacidade    |     Segurança    |     Dúvidas    |     Contato
Avenida Paulista, 1337, Conjunto 11 – Bela Vista - 01311-200 - São Paulo - SP
Telefone: (11) 5572-9474
© Alaúde Editorial Ltda. Todos os direitos reservados.